Obra

Imagens Impressas: um Percurso Histórico pelas Gravuras da Coleção Itaú Cultural

curador: Marcos Moraes
nº de obras: 148
local: Sala 3

Museu Oscar Niemeyer inaugura mostra sobre cinco séculos de gravura na Europa
Serão apresentadas obras dos séculos XV a XIX

O Museu Oscar Niemeyer (MON) recebe, em parceria com o Itaú Cultural, a exposição “Imagens Impressas: um Percurso Histórico pelas Gravuras da Coleção Itaú Cultural” - um conjunto de cerca de 150 gravuras que apresentam, de forma temática e didática, as diferentes técnicas de gravuras dos séculos XV a XIX.

“Realizar esta exposição em parceria com o Itaú Cultural solidifica as relações entre instituições e oferece ao público a oportunidade única de conferir obras fundamentais para a história da arte”, ressalta Juliana Vosnika, diretora-presidente do MON.

Para o secretário de Estado da Cultura, João Luiz Fiani, a parceria com o Itaú Cultural é de extrema importância porque torna possível a aproximação do público paranaense com arte de grande qualidade. “Com descrever minha satisfação em receber essa exposição? Um momento único e especial para o Museu Oscar Niemeyer. Gravuras singulares e que mostram um breve panorama do que melhor se produziu por artistas geniais em séculos”.

Com curadoria de Marcos Moraes, estão presentes artistas como Edouard Manet, Eugène Delacroix, Francisco Goya, Henri de Toulouse-Lautrec e Rembrandt van Rijn, em que é apresentado um lado inusitado da produção artística deles. A exposição conta, ainda, com obras de Martin Schongauer, um dos primeiros gravuristas de que se tem notícia. De sua autoria, a gravura Cristo Carregando Cruz, de 1475, é a mais antiga da exposição.

Outros destaques presentes são os artistas do século XIX Gustave Doré e as ilustrações que fez para o livro A Divina Comédia, de Dante Alighieri, e o caricaturista Honoré-Victorien Daumier. Dele, são expostas diversas imagens, sendo uma delas o original de uma charge publicada no jornal Le Charivari, um dos principais veículos franceses no período. A imagem é exposta de forma perpendicular à parede em uma moldura de acrílico, de modo a estar visível também a parte de trás da folha do jornal, com notícias e anúncios. 
 
Núcleos
No espaço expositivo, as obras são divididas em núcleos, cada um deles representando um século. Um texto explicativo situa o visitante quanto às técnicas presentes no período, bem como as principais temáticas representadas. Verbetes explicam o que são cada uma das técnicas: xilogravura, grafia em metal e seus diversos tipos, como buril, água-forte e água-tinta, e litografia. De forma didática, a exposição se vale de um recorte representativo dessa modalidade artística, pela diversidade de técnicas, temas e destinações das gravuras. 
 
Como observa o curador, a imagem impressa acompanha a humanidade desde os seus primórdios. “Podemos remontar essa trajetória às primeiras mãos marcadas, por meio de pigmentos, nas paredes de grutas e cavernas. Para abordar esse meio de criação é preciso, portanto, delimitar um escopo. A mostra Imagens Impressas propõe, assim, um percurso histórico pelas gravuras do Itaú Cultural, mapeando cinco séculos da produção gráfica europeia, iniciando-se por xilogravuras produzidas no século XV”. A partir desse período, aprimoram-se as técnicas, são incorporadas inovações e é desenvolvida a linguagem gráfica. Por esse caminho, no século XIX, a gravura chega à autonomia. Esta exposição se inscreve nas ações promovidas pelo Itaú Cultural para garantir o acesso ao Acervo de Obras de Arte do Itaú Unibanco, que hoje conta com aproximadamente 15 mil itens.
 
Sobre Marcos Moraes
Doutor em Arquitetura e Urbanismo (2009), graduado em Direito (1979) e Artes Cênicas (1987), com especialização em Arte-Educação e Museu, todos pela Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador do Curso de Artes Plásticas e de Produção Cultural, bem como dos Programas Internacionais de Residência Artística (Cité des Arts e Residência Artística FAAP), ambos da Fundação Armando Alvares Penteado FAAP, onde também é docente (graduação e pós-graduação) em História da Arte e Desenvolvimento de Projeto Integrado.

Serviço
Exposição “Imagens Impressas: um Percurso Histórico pelas Gravuras da Coleção Itaú Cultural”
De 30 de março a 27 de julho de 2017
Visitação: terça a domingo, das 10h às 18h
Ingressos: R$ 16 e R$ 8 (meia-entrada)
Sala 3

Dias e horários especiais
Toda quarta gratuita com programação especial: 10h às 18h
Primeira quinta do mês: horário estendido até 20h, gratuito após as 18h.
Programação especial todos os domingos

Museu Oscar Niemeyer
Rua Marechal Hermes, 999
41 3350 4400
museuoscarniemeyer.org.br
Facebook e twitter: monmuseu
Instragram: museuoscarniemeyer


Powered by
Publish for Free

Camilo Castello Branco (1880-1902) | cromolitografias | Parte do livro Álbum das Glórias (1880-1902), com textos de João Rialto.
Camilo Castello Branco (1880-1902) | cromolitografias | Parte do livro Álbum das Glórias (1880-1902), com textos de João Rialto.
Rembrandt van Rijn (1606-1669) | Autorretrato com Boina e Roupa Bordada | água-forte
Rembrandt van Rijn (1606-1669) | Autorretrato com Boina e Roupa Bordada | água-forte
Edouard Manet (1832-1883) | Lola de Valence | água-forte e água-tinta
Edouard Manet (1832-1883) | Lola de Valence | água-forte e água-tinta