Obra

Charif Benhelima: Polaroids, 1998 – 2012

artistas: Charif Benhelima
curador: Daniella Géo e Christophe De Jaeger
nº de obras: 130
local: Sala 2

Museu Oscar Niemeyer recebe mostra de Charif Benhelima 

A exposição reúne cerca de 130 imagens feitas em Polaroid, além de obras em grande formato, de um dos maiores artistas belgas na prática da fotografia 

O Museu Oscar Niemeyer (MON) inaugura dia 5 de dezembro a mostra “Charif Benhelima: Polaroids, 1998 – 2012”. O artista é considerado um dos maiores nomes belgas da fotografia contemporânea. Sua obra representa, hoje, uma das mais inovadoras e consequentes pesquisas em Polaroid.  
A diretora-presidente Juliana Vosnika ressalta a importância de receber exposições de nomes expressivos das artes visuais. “O público terá uma grande oportunidade de conhecer a obra de um dos fotógrafos mais importantes da atualidade”, diz. 

Com curadoria de Daniella Géo e Christophe De Jaeger, a exposição apresenta aproximadamente 130 Polaroids e três obras em grande formato (derivadas das Polaroids), sendo divididas em quatro séries. O projeto foi iniciado pelo Palais des Beaux-Arts (BOZAR), em Bruxelas, e foi também apresentado no Museu de Arte Contemporânea de Niterói (MAC).

A curadora Daniella Géo explica o processo: “A adoção dessa fotografia que se autorrevela e muitos pensavam efêmera demarcou uma nova fase no processo criativo do artista, a partir do estabelecimento de outra relação com o ato de fotografar – bem mais lento e de pouco controle técnico, cuja fotografia resultante é única e irretocável. A obra de Benhelima trata com delicadeza visual e questionamento assertivo questões políticas e sociais, hoje, emergenciais, como a noção de pertencimento/exclusão, o viver junto frente ao multiculturalismo”, analisa.

Compostas, em grande parte, como espécies de abstrações figurativas, as polaroides de Benhelima são imbuídas de ambiguidade. A percepção do tempo, do espaço, do real e do simulacro é desestabilizada, e a subjetividade do observador perante as imagens, assim como as questões que elas levantam, assume seu papel construtivo diante de toda representação.

"Charif Benhelima é, hoje, um dos nomes mais interessantes da arte contemporânea. Sua exposição esteve entre as melhores na Bélgica em 2012 e o confirmou como grande expoente da arte do país. Ele não tem medo de arriscar, seu trabalho nunca é superficial e sabe unir como poucos conceito e estética. Sua obra levanta questões que são fundamentais não apenas na Europa, mas no mundo. Fico entusiasmado em estarmos levando sua obra para o Brasil”, afirma o curador Christophe. 

A mostra fica em cartaz até 8  de maio de 2016. A visitação pode ser feita de terça a domingo, das 10h às 18h.

Charif Benhelima
Charif Benhelima (Bruxelas, 1967), filho de pai marroquino e mãe belga, ficou órfão aos oito anos. Cresceu no interior da católica Flandres ocidental e aprendeu sobre sua origem judaica sefardita já em idade adulta. Seu processo identitário diante das contradições, dos conflitos e da intolerância despertados pela diversidade cultural é a base de suas pesquisas. 

Embora de fundo autobiográfico, a obra de Benhelima ultrapassa as questões pessoais. É, ao contrário, formada e formadora de discursos sociopolíticos de dimensão universal, associados, em particular, à problemática da imigração e da discriminação, assim como da própria imagem – fotográfica e social – como construção. A noção de invisibilidade, visual e/ou simbólica, explorada nas diferentes séries, é fundamental. 

Biografia
Nomeado por sua obra completa para o Robert Gardner Fellowship em Fotografia 2008 (Harvard University/Peabody Museum), Benhelima expôs, recentemente, no Palais des Beaux-Arts, Bruxelas; Station Museum of Contemporary Art, Houston; Institute of Contemporary Arts, Cingapura; Museum voor Hedendagse Kunst – MuHKA, Antuérpia; BPS22, Charleroi etc. Paralelamente às suas pesquisas artísticas, Benhelima é professor da prestigiosa Malmo Art Academy, Lund University, Suécia, e conferencista convidado do HISK, Gent, Bélgica. 

Sobre os curadores
Daniella Géo é curadora independente e pesquisadora residente na Bélgica e no Rio de Janeiro. Doutora e mestre em Estudos Cinematográficos e Audiovisuais (com foco em Arte contemporânea/ Fotografia) pela Université de La Sorbonne Nouvelle – Paris III. É co-curadora da 4e Biennale de Lubumbashi, R.D.Congo e foi co-curadora da 5e Biennale internationale de la Photographie et des Arts visuels de Liège e de Black is beautiful, GRID – 3e Internationale Fotografie Biennale, Amsterdã. Entre suas curadorias recentes estão a exposição retrospectiva Roger Ballen: Transfigurações, fotografias 1968-2012 (MAM-Rio, MON, Curitiba e MAC-USP) e as coletivas Álbum de Família, Centro de Arte Hélio Oiticica, Rio de Janeiro, Adding Subtractions, The Bag Factory, Joanesburgo, (Re)construções: Arte Contemporânea da África do Sul, MAC de Niterói. Géo é professora da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, Rio de Janeiro, conferencista convidada do Hoger Instituut voor Schone Kunsten, Gent, Bélgica, e curadora associada do APT – Artist Pension Trust, NY.

O belga Christophe De Jaeger coordena o departamento de fotografia e media-arts do Palais des Beaux-Arts, Bruxelas. Curadorais internacionais mais recentes foram apresentadas em instituições como Museu de Arte Contemporânea de Niterói (2013), Museum of Contemporary Art, Shanghai (2009) e o Pavilhão de Bruxelas, na World Exhibition, em Shanghai (2010). É doutorando em creative partnerships pelo King`s College, Londres. É diretor da organização Gluon, plataforma que promove colaborações entre artistas, pesquisadores e industriais, em Bruxelas.

Serviço
Exposição “Charif Benhelima: Polaroids, 1998 – 2012”
05 de dezembro de 2015 a 8 de maio de 2016.
Ingresso: R$12 e R$6 (meia-entrada)
Terça a domingo, das 10h às 18h

Memorial I, 2009 Da série / from the series Roots Polaroid 600 Spectrum
Memorial I, 2009 Da série / from the series Roots Polaroid 600 Spectrum
Memorial, 2007_Da série / from the series Roots_Polaroid 600 Spectrum
Memorial, 2007_Da série / from the series Roots_Polaroid 600 Spectrum
Morningside Avenue, Harlem, 2001 Da série / from the Harlem on my mind I was, I am series  Polaroid 600 Spectrum
Morningside Avenue, Harlem, 2001 Da série / from the Harlem on my mind I was, I am series Polaroid 600 Spectrum